Você pode melhorar as orelhas de abano com otoplastia.

Otoplastia: cirurgia plástica de orelhas de abano

Orelhas proeminentes ou orelhas de abano podem causar preocupações do paciente sobre sua aparência. Alguns tentam esconder suas orelhas de abano com o cabelo enquanto outros usam chapéus, gorros ou faixas para prevenir suas orelhas de saltarem para fora. Oferecendo uma solução a esses pacientes, Dr. Walter Zamarian Jr. em Londrina, Paraná, realiza a otoplastia, para ajudar a aumentar a beleza e melhorar a autoestima dos pacientes. A cirurgia plástica de orelhas é um procedimento seguro e eficaz que remodela as orelhas de abano, produzindo um resultado mais estético e atraente.

Dr. Zamarian faz uso de uma variedade de técnicas para reposicionar as orelhas de abano mais próximas à cabeça, diminuí-las ou alterar a aparência das mesmas, remodelando a cartilagem.

A partir de qual idade?

A partir dos seis anos de idade, as orelhas já completaram 90% do seu desenvolvimento e, por esse motivo, já podem ser submetidas a otoplastia. Em muitos casos de orelha de abano, prefere-se realizar a cirurgia nessa idade, por ser pré-escolar e para evitar constrangimento entre os colegas. Entretanto, muitos pacientes candidatos à otoplastia acabam procurando o cirurgião plástico na fase adulta, tendo, mesmo assim, excelentes resultados.

Pré-operatório

A consulta

Durante a consulta médica para otoplastia, alguns detalhes são observados pelo cirurgião plástico e explicados ao paciente: a ausência da anti-hélice, a projeção das conchas e a presença ou não de assimetrias.

A anti-hélice é uma sobra na cartilagem que auxilia na curvatura da parte externa da orelha para trás, em especial, no seu segmento superior. Pacientes com orelhas de abano, normalmente apresentam "apagamento" de uma ou ambas anti-hélices, aumentando a projeção das orelhas para frente, causando o abano. Durante a otoplastia, Dr. Zamarian resedenha as anti-hélices e as confecciona de um modo delicado, de acordo com a técnica em Ilha do Professor Ivo Pitanguy. Em alguns casos e, especialmente para orelhas de paciente bastante jovens e com cartilagem mole, a orelha de abano pode ser apenas raspada para se refazer as anti-hélices.

O excesso de concha cartilaginosa acaba projetando as orelhas anteriormente, chegando, em muitos casos, a fazer um ângulo de 90% com a cabeça. Durante a cirurgia, as conchas são rodadas para trás, sem retirada de cartilagem, de modo que o resultado mantém a naturalidade da projeção normal de uma orelha. Considera-se um resultado artificial uma orelha sem projeção alguma, praticamente colada na cabeça. Em nossa cirurgia plástica de orelhas, realiza-se uma hipercorreção da orelha de abano, pois as orelhas vão abrindo ao longo, principalmente, das três primeiras semanas, até adquirirem um resultado bastante atraente. Sabendo disso, e para evitar que as orelhas abram demais, o paciente deve utilizar uma faixa na cabeça após a cirurgia, que mantém as orelhas no lugar, 24 horas por dia, durante essas três semanas.

As assimetrias entre as orelhas são bastante comuns, ocorrendo, muitas vezes, uma projeção maior de uma orelha em relação à outra. Na maioria das vezes, as assimetrias são bastante minimizadas com a otoplastia, de modo que passam a ficar quase que imperceptíveis no dia a dia. Em alguns raros casos, a assimetria envolve uma deformidade muito grande de uma das orelhas, e a cirurgia, nesses casos pode envolver até a reconstrução de todo o pavilhão auricular acometido.

Detalhes anatômicos das orelhas de abano que são avaliados pelo Dr. Zamarian

Hélice

A hélice da orelha é a dobra mais externa, que começa na raiz da orelha e termina no lóbulo. Na maioria das vezes, sua curvatura é normal, mas nos casos de otoplastia para lop ear ou cup ear, a curvatura está muito acentuada, sendo por vezes causada por uma prega horizontal na cartilagem que atravessa a anti-hélice, necessitando, nesses casos, de remodelagem da hélice e sustentação da mesma com uma mola confeccionada com a cartilagem da concha.

Anti-hélice

Na maioria dos casos de orelha de abano, a anti-hélice, que deveria ser uma dobra em forma de "Y" curvado, logo anteriormente à hélice, está ausente. A otoplastia compreende a remodelagem da cartilagem, refazendo a anti-hélice e diminuindo, dessa forma, a projeção, sobretudo do polo superior da orelha de abano.

Tubércuo de Darwin

Aquela dobra ou projeção na hélice, em seu ponto súpero-externo, que está evidente na maioria das pessoas mas que pode ser apenas um espessamento quase imperceptível em outras, é chamada de tubérculo de Darwin. Em alguns casos, em que ele se mostra muito evidente, realçando a projeção de orelhas em abano, ele pode ser diminuído cirurgicamente.

Lóbulo

O lóbulo da orelha é aquela parte mais inferior, sem cartilagem, onde se colocam os brincos. O lóbulo pode ser preso ou solto. Em alguns casos, especialmente nos idosos, ele pode ser demasiadamente grande e a cirurgia plástica de orelhas, pode reduzir seu tamanho, retirando uma cunha na forma de fatia de pizza rente à sua inserção na face. Em outros casos, a otoplastia, pode fechar orifícios rasgados por brincos (devido a alergia ou trauma), através de uma zetaplastia anterior e sutura simples na parte posterior, para quebrar a cicatriz, interpondo pele sadia na mesma, evitando futuros rasgos.

Trágus

Aquela protuberância de cartilagem na frente da orelha, na altura do conduto auditivo externo é denominada de trágus. O trágus pode estar apagado, principalmente por um estigma de cirurgia plástica de face, o facelift, quando o cirurgião tenta esconder a cicatriz atrás do trágus. Nestes casos, basta liberar a cartilagem, removendo o tecido cicatricial que a prende, restabelecendo sua projeção. A protuberância cartilaginosa acima do lóbulo é denominada de antitrágus.

Raiz

A inserção mais superior da orelha, consistindo o início da hélice e localizada logo acima do trágus, é denominada de raiz da orelha. Dificilmente ela precisa ser operada com otoplastia, mas é muito útil nos casos de retalho de hélice (retalho de Antia), onde é realizado um retalho em V-Y na raiz, permitindo um avançamento lateral e inferior da hélice para reparar perda de substância de terços médio ou superior de hélice. Na maioria das vezes, serve como parâmetro anatômico durante a cirurgia de lifting de face como limite máximo onde pode chegar o pé do cabelo, a fim de se evitar um estigma de cirurgia plástica facial.

Concha

Aquela parte lisa, com forma côncava, aderida à mastoide, posterior ao meato acústico externo, é denominada de concha e contém uma cartilagem que tem condições ideais para se realizar enxertos de cartilagem hialina, no nariz, por exemplo. A concha pode estar muito projetada anteriormente em pacientes com orelha de abano e podem ser descoladas em sua parte posterior e fixadas adequadamente na mastoide, diminuindo sua projeção. Normalmente, Dr. Zamarian realiza essa manobra em conjunto com a remodelagem da anti-hélice.

Exames

Dr. Zamarian solicita os seguintes exames pré-operatórios a fim de realizar a otoplastia com segurança:

A anestesia

A cirurgia de otoplastia é realizada, pelo Dr. Zamarian, sob anestesia geral, conferindo conforto ao procedimento, que dura cerca de sessenta a noventa minutos.

A cirurgia

A otoplastia, para correção de orelha de abano, é realizada, pelo Dr. Walter Zamarian Jr., iniciando-se com a marcação e retirada de pele em excesso atrás das orelhas proeminentes. Em seguida, Dr. Zamarian demarca e confecciona a ilha de cartilagem que vai configurar a anti-hélice. A cartilagem é então projetada com pontos absorvíveis e o novo desenho da orelha já começa a aparecer. Descola-se a cartilagem auricular da mastoide e roda-se a orelha posteriormente, para corrigir a projeção do excesso de concha. Toda a sutura é então realizada, somente na parte de trás das orelhas e fica escondida, sem deixar cicatrizes aparentes.

Na experiência do Dr. Zamarian, a otoplastia permite que o paciente vá para casa no mesmo dia, assim que passar o efeito da anestesia, com um curativo em forma de capacete que envolve a cabeça e protege, sem esquentar muito. Esse curativo deve permanecer por cerca de três dias.

Cicatrizes

A otoplastia é realizada na região posterior (atrás) das orelhas, não resultando, portanto, em cicatrizes que ficam aparentes. As cicatrizes costumam ter um resultado estético excelente. Pacientes com tendência a queloides devem ser avaliados antes da cirurgia e informados sobre a possibilidade de cicatrizes inestéticas, pois essa é uma área com risco maior de queloides, assim como ombros e região pré-esternal, por exemplo. A incidência de cicatrizes inestéticas atrás das orelhas após uma otoplastia, na experiência do Dr. Zamarian, é menor que 0,5%.

Pós-operatório

Após a cirurgia plástica de orelha de abano, pacientes podem sentir muita ou nenhuma dor. Para isso, abrimos mão de medicamentos potentes que tornam o procedimento de otoplastia mais tranquilo. A faixa deve ser usada por 24 horas por três semanas seguidas após a cirurgia, podendo o paciente tirar apenas para tomar banho. Retiramos os pontos com 7 a 10 dias, e após um mês seguinte à cirurgia de orelhas, os pacientes já podem voltar a atividades físicas leves e a dormir de lado. O paciente também pode voltar a usar óculos após um mês da cirurgia.

O inchaço melhora bastante no primeiro mês, mas pode levar até seis meses para desaparecer por completo. Nesse período, também, a sensibilidade das orelhas pode estar diminuída, retornando progressivamente.

Recidiva

Chamamos de recidiva quando as orelhas voltam a ficar abanadas após a cirurgia plástica de orelhas. Como a técnica principal de otoplastia utilizada pelo Dr. Zamarian é a em Ilha, que envolve incisão na espessura total da cartilagem e quebra de sua memória, a recidiva de otoplastia em sua experiência é baixíssima, se existir. Dr. Zamarian tem ganhado reputação por seus procedimentos estéticos com excelentes resultados, evitando complicações ao máximo.

Otoplastia reparadora

Em verdade, otoplastia é um termo que se refere a qualquer cirurgia plástica de orelhas, quer seja por orelha de abano, ou por outras variações, como: lop ear, cup ear, microtia (orelha pequena), anotia (ausência de orelha), reconstrução após trauma ou devido à retirada de câncer de pele, entre outras.

As variadas deformidades que uma orelha pode apresentar individualizam o tratamento para cada caso, podendo ir desde um simples relaxamento da cartilagem com mínima retirada de pele, retirada de uma parte da outra orelha para reconstruir um defeito, ou até uma cirurgia com reconstrução total do pavilhão auricular com cartilagem retirada do tórax.

Na Clínica Zamarian de Cirurgia Plástica, cada paciente é muito bem avaliado e orientado com relação às possibilidades de uma melhora total ou parcial do problema que o acomete. Dr. Zamarian tem a habilidade e conhecimentos necessários para realizar os melhores tratamentos para seus pacientes, incluindo a otoplastia reparadora.

Ligue e agende uma consulta

Para saber mais sobre a otoplastia e outras modalidades de cirurgia plástica que o Dr. Walter Zamarian Jr. realiza em Londrina - PR, por gentileza, entre em contato com a Clínica Zamarian e agende uma consulta.

Agende sua consulta para otoplastia em Londrina com Dr. Walter Zamarian Jr.

(43) 3356-0506

Cirurgião Plástico em Londrina - PR

info@zamarian.com.br

Rua João Wyclif, 111, Sala 1702
Londrina - PR
CEP 86050-450
Brasil

📞 (43) 3356-0506

🕑 segunda a sábado 8:00 - 12:00 h
segunda a sexta 14:00 - 18:00 h

5/5 estrelas baseado em 5 comentários